Sobreviventes de acidentes de trânsito relatam impactos e mudanças na rotina

Vítimas falam das cicatrizes, reabilitação e novos rumos no pós acidente

Ascom SMTT 20/11/2022 às 10:30
Sobreviventes de acidentes de trânsito relatam impactos e mudanças na rotina
Colisões estão entre as principais causas de acidentes atendidos pela SMTT. Foto: Joyce Juliana/Ascom SMTT

No terceiro domingo de novembro, é celebrado o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trânsito. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2005. Em Maceió, de janeiro a outubro de 2022, 658 acidentes foram atendidos pelas equipes da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) nas vias da capital. O objetivo do trabalho diário da autarquia municipal é alertar sobre a responsabilidade de todos nas vias para evitar que acidentes aconteçam.

O levantamento das ocorrências atendidas pela SMTT apontou que, do número de vítimas dos acidentes em Maceió, 12 não resistiram e morreram no local. Outros 426 foram encaminhados para o atendimento em unidades hospitalares, podendo ter sobrevivido ou não. Até junho deste ano, 86% dos acidentes foram colisões e 16% demais naturezas. Automóveis estão entre os veículos que mais se envolvem, seguidos pelas motocicletas.

Dados da SMTT revelam que infrações graves e gravíssimas estão entre as principais cometidas na capital. Foto: Joyce Juliana/Ascom SMTT
Dados da SMTT revelam que infrações graves e gravíssimas estão entre as principais cometidas na capital. Foto: Joyce Juliana/Ascom SMTT

“No primeiro semestre deste ano, 71% das infrações cometidas pelos maceioenses foram graves e gravíssimas, seguidas por 18% de infrações médias e 11% leves. É preocupante constatarmos que as infrações graves e gravíssimas lideram o ranking das ocorrências registradas na Capital, já que a possibilidade dessas infrações ocasionarem sinistros aumentam consideravelmente. E isso acarreta em diversos fatores, desde sequelas até a morte”, pontuou o assessor técnico de Levantamento de Acidentes e Estatísticas da SMTT, Carlos Moura.

Dados do Ministério da Saúde indicam que a imprudência e a imperícia estão entre as principais causas de acidentes e mortes no trânsito. Falta de atenção, velocidade incompatível com a via, ingestão de bebidas alcoólicas, ultrapassagens indevidas e o desrespeito às sinalizações lideram as ocorrências.

Há 13 anos, Renato Lourenço sofreu um acidente de trânsito. Ele havia ido visitar um amigo, também vítima de acidente, ingeriu bebida alcoólica e, na volta de Satuba para Maceió, se chocou com uma carreta. Foi socorrido, passou sete dias em coma, com várias lesões pelo corpo e teve uma das pernas amputada.

Sobrevivente, Renato usa seu exemplo e busca conscientizar outras pessoas. Foto: Joyce Juliana
Sobrevivente, Renato usa seu exemplo e busca conscientizar outras pessoas. Foto: Joyce Juliana

“Eu me inspirei em mim mesmo e disse que eu ia aprender a sobreviver da maneira que eu estava. Devido ao acidente, não pude mais exercer minha profissão. Eu instalava forro PVC, divisórias e esquadrilhas, subia e descia escadas, andaimes e paredes. A amputação deu uma reviravolta na minha vida. Eu admito meu erro, eu estava bêbado, o rapaz não tinha culpa, mas têm vários acidentes em que o condutor é o responsável e não entende que pode causar acidentes e até morte”, contou.

Durante a reabilitação, ele recebeu apoio da família e de amigos. Para ele, o peso de ser um sobrevivente é perceber todas as marcas das cicatrizes e as lembranças na memória. Renato viu no esporte a oportunidade de voltar à ativa na nova vida. Ele coleciona medalhas de competições e se dedica ao basquete de cadeira de rodas, diz ser feliz apesar das limitações físicas.

Em novembro de 2008, Luiz André também teve sua vida transformada no dia do seu aniversário, em 21 de novembro. No bairro da Santa Amélia, ele conduzia uma motocicleta e foi arrastado por cerca de 40 metros debaixo do carro. Teve um braço e uma perna amputados e passou 30 dias em coma. Assim como Renato, também estava embriagado.

Após o acidente, Luiz André precisou mudar de setor no trabalho. Foto: Joyce Juliana/Ascom SMTT
Após o acidente, Luiz André precisou mudar de setor no trabalho. Foto: Joyce Juliana/Ascom SMTT

”Hoje eu sou padrinho e tenho vários afilhados. Para mim foi uma experiência e eu tento passar para todos. Eu sou convidado em faculdades, em empresas para falar um pouco que álcool não combina com direção, que o trânsito é cruel e acidente é uma catástrofe. Acaba com a vida não só do condutor, mas da família. Então, hoje só estar vivo é um prêmio”, contou.

“Hoje os acidentes de automóveis e motocicletas acho que a porcentagem é bem grande até para os hospitais. Então, não é uma coisa que a gente tem que lidar, que seja correto. A imprudência está demais. Você viu o vídeo e ninguém que olhasse aquele vídeo diria que aquele cidadão sobreviveria. E aquele cidadão que sobreviveu sou eu”, acrescentou. Luiz guarda imagens dos momentos de angústia no hospital.

Histórias como as de Renato Lourenço e Luiz André mostram os impactos e as consequências negativas dos acidentes em todos os efeitos e impactos sociais, econômicos e psíquicos. Os dois sobreviventes reconhecem que, diferente deles, nem todo mundo sobrevive para contar suas histórias.

Dentre outras atividades, eles dividem suas rotinas com o mundo dos esportes, compartilham o que vivenciaram no trânsito para orientar outras pessoas e militam pelos direitos da pessoa com deficiência.

O trabalho da SMTT

Para reverter os índices, a SMTT foca na conscientização de pedestres, ciclistas e condutores de veículos. Diariamente, ações educativas são desenvolvidas em escolas, faculdades, empresas e nas vias de Maceió. O intuito é promover uma reflexão e promover a mudança de hábito.

Educação da SMTT desenvolve ações para conscientizar as pessoas. Foto: Joyce Juliana/Ascom SMTT
Educação da SMTT desenvolve ações para conscientizar as pessoas. Foto: Joyce Juliana/Ascom SMTT

“Precisamos entender que o trânsito é de todos e termos empatia para enxergarmos o espaço do outro. É nesse norte que as ações da SMTT são desenvolvidas pela capital. Educar é sempre melhor do que punir. Se você é adepto de boas práticas e segue as normas de circulação e conduta, contribui para um trânsito mais humanizado e livre de acidentes”, destacou a assessora de educação para a mobilidade, Inês Pessoa.

Além de ações educativas, a SMTT atua no planejamento viário e implantação de sinalizações horizontal, como pinturas asfálticas, e vertical, com a instalação de placas e semáforos. O objetivo é garantir mais segurança viária e incentivar a mobilidade ativa e o compartilhamento das vias.

SMTT

Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito

Avenida Durval de Góes Monteiro, 829 - Tabuleiro do Martins
CEP 57061-000 // Telefone: (82) 3312-5330.
Horário de atendimento: segunda a sexta, de 8h às 14h.